0

[BEDA 7] Creepypasta: Os mochileiros

7.8.15



Há histórias sobre um certo tipo de mochileiro - eles apenas aparecem à noite em estradas quietas, parecendo piscar à beira dos farois, nunca carregam um sinal, sempre com uma expressão de profundo desânimo no rosto, cobertos por casacos pesados e calças compridas, geralmente de luvas. Se você parar, eles parecerão cordiais o suficiente, educados, mas dificilmente tagarelas. Eles irão lhe assegurar que a próxima cidade na estrada será um ótimo lugar para deixádeixá-los. Bastante normal. A não ser que você tente matá-los.

Eles morrem facilmente. Mas olhe por baixo das roupas deles, e você verá que a pele deles é desconfigurada com linhas de cicatriz, formando padrões repetitivos que são inquietantes de olhar, e até mais inquietantes no contexto da pele deles. Eles não possuem carteira, e nem identificações. Se você abrir a barriga deles, verá que eles são diferentes por dentro. Na há sangue, nenhum músculo, apenas uma cavidade contendo um único objeto. O objeto varia. Exemplos incluem uma única moeda, pesada e brilhante e encravada com urnas que ninguém jamais poderá decifrar. Uma joia de diamante com bordas geométricas que fatia da carne cru aos ossos. Um vaso pequeno, quase inquebrável, que cheira a oceano e sempre está úmido...

Uma vez que você possuir o objeto de um viajante, você sempre se encontrará dirigindo as estradas silenciosas à noite. Você nunca saberá como, mas de alguma forma, você irá. A isca de possuir um segundo objeto irá sussurrar na sua cabeça. Você vai esforçar pra capturar o sinal de uma figura aparecendo em seus faróis, tente resistir ao impulso de parar, e algumas vezes conseguirá. Mas às vezes você não irá. Você tentará falar a si mesmo que é apenas uma pessoa normal numa aventura, alguém que acabou ficando sem gasolina. A parte lógica do seu cérebro vai gritar para o que você vai fazer. Você irá sorrir, acenar com a cabeça e eles entrarão no carro e você irá vagarosamente, casualmente, alcançar debaixo do banco ou sobre o porta-luvas...

Blogger
Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Voltar ao topo
voltar ao topo